Pró-vida Anápolis

follow facebook

Quinta, 26 Junho 2003 20:35

O testemunho de Silvana

(uma heroína que resistiu às pressões para abortar seu filho durante um tratamento de câncer...)

Rio, 26/06/2003

Meu nome é Silvana. Tenho 27 anos e gostaria de contar um pouco de minha história. Quando tinha 24 anos, descobri que estava com câncer. No primeiro momento, o desespero foi inevitável, porém comecei o tratamento: quimioterapia e radioterapia. Fiz tudo e tive bons resultados. Fiquei fazendo apenas revisão de 3 em 3 meses e estava tudo bem.

Porém descobri que estava grávida e fui ao médico para informá-lo. Ele me deu uma bronca, me disse coisas horríveis, inclusive para fazer um aborto o mais rápido possível (estava com 1 mês).

Saí do hospital sem chão, não sabia a quem recorrer, até parar na Igreja Bom Jesus. Conversei com o padre, contei tudo, chorei, e ele me aconselhou a não tirar meu filho, se bem que na minha cabeça isso já estava decidido: jamais faria o aborto.

E o padre me perguntou: "Crê em Deus?".
Eu respondi: "Creio, padre".
Ele falou então: "Dará tudo certo, confie".

Quando voltei para a consulta com o médico, estava sentindo dores e meu pescoço começava a inchar. Fiz uns exames e ficou confirmada a volta da doença.

O desespero tomou conta de mim. Eu olhava para minha barriga e dizia: "Mamãe tá aqui". Não me vinham outras palavras. Só conseguia repetir isso: "Meu filho, mamãe tá aqui".

Enfim, estava ciente de que a doença havia voltado e que a minha gravidez seria uma luta.

Fiz o pré-natal num hospital de alto risco. Lá a minha doutora também falou no aborto e disse que a lei me daria total apoio nesse caso, pois era risco de morte.

[NOTA: Em nenhum caso, a lei dá apoio para o aborto. Em dois casos ela deixa de puni-lo, embora nunca o permita. Mas no caso concreto da Silvana, era o câncer e não a criança que estava causando risco de morte para a gestante. Vê-se como é grande a ignorância jurídica também no meio médico.]

Enfim, a pressão foi muita para que eu tirasse meu filho. Em toda consulta o médico me alertava dos riscos. E quanto mais eu demorasse a começar o tratamento, a minha doença iria evoluir cada vez mais e insistia para que eu desse início ao tratamento. Mas se eu começasse a quimioterapia meu bebê nasceria com alguma deficiência ou até morresse, pois a medicação era fortíssima. Mais uma vez eu disse não.

Nessa época eu estava com 4 meses e disse a ele que tentaria esperar até os 7 meses, porque assim teria alguma chance de o meu filho nascer com vida.

E assim fui levando a gravidez. Com muitas dificuldades pedia muito a Deus para que meu filho nascesse e com saúde.

Quando estava com 6 meses, o meu doutor falou que não daria mais para esperar para fazer a cesárea, pois minha doença estava agravando. Meu pescoço estava bem inchado, sentia dores, falta de ar.

Então ele escreveu uma carta para a doutora do pré-natal. A doutora leu a carta, porém achou melhor não fazer a cesárea naquele momento, pois o bebê só teria 50% de chances de nascer com vida. E pela médica, ela não anteciparia o parto, pois era muito arriscado para o bebê.

Enfim, não foi feita a antecipação do parto com seis meses. Porém, assim que completei os 7 meses fui internada para ter o meu filho. Fui pro hospital 2ª feira. E na 5ª feira, dia 27.02.2003, fui levada para a sala do parto. Estava nervosa, claro, mas tentava-me acalmar.

A cesariana foi feita, vi meu filho passando por mim, e vi que não era muito pequeno como eu imaginava. Estava emocionada. Chorei ao vê-lo bem. Ele chorava forte. Não acreditava bem naquilo que estava vivendo. Colocaram ele em cima de mim por apenas alguns segundos e o levaram. Eu fui parar na UTI, pois a minha pressão baixou demais.

Depois pensei comigo mesma: apesar de ter tido uma gravidez conturbada, de ter tido muitos medos e problemas, tudo estava bem agora. Meu bebê nasceu! E é perfeito.

No dia seguinte fui ver meu filho e, para minha surpresa, ele teve problemas. Apesar de ter nascido bem, com 2.425g e 46 cm, ele teve uma grande falta de ar. Colocaram ele na incubadora e nos aparelhos respiratórios. O estado dele era grave.

Na hora que recebi essa notícia quase desmaiei. Era triste ver meu bebezinho cheio de aparelhos. Ele ficou dependendo dos aparelhos por alguns dias. Depois foi melhorando, mas teve pneumonia e passou a tomar antibióticos. Isso ele ficou internado 21 dias. Por fim veio pra casa. No dia 19.03.2003 fui ao hospital dar alta para ele.

Após consultas no Inca, fiz uma bateria de exames e fui informada pelo médico que, devido à demora do tratamento, a minha doença se espalhou para outros órgãos; tinha-se agravado. No dia da alta do meu filho, eu fui internada para começar a quimioterapia. Fiquei no hospital uns 4 dias, e não via a hora de ficar em casa com meu filho.

Enfim, hoje ele está ótimo, saúde boa, engordando e crescendo normalmente. E estou feliz porque ele está bem.

Eu continuo meu tratamento. Serão 6 meses de quimioterapia e depois um transplante de medula, mas não desanimo. Eu rezo muito e confio que meu Deus é o Deus do impossível, e agora, mais do que nunca, tenho um motivo para lutar e vencer: meu filho.

thiago21

Thiago, filho de Silvana, com 21 dias de nascido

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

CNPJ 01.813.315/0001-10 - Reconhecido como entidade de utilidade pública municipal pela lei 2497/97
Rua Bela Vista, Quadra M, Lote 65, Jardim Goiano, 75140-460, Anápolis, GO
Para correspondência: Caixa Postal 1995 75043-970 - Anápolis - GO
Telefones (62)3313-4792 / (62)3315-9413
Produzido por Trídia Criação

Usando Joomla!