Pró-vida Anápolis

follow facebook

Terça, 01 Abril 1997 20:34

Dois testemunhos

Há quem diga que pelo menos no caso da gravidez resultante de estupro o aborto ajudaria a mulher. Tal afirmação é falsa. Para contradizê-la podemos citar o testemunho de duas vítimas de estupro que engravidaram e deram à luz, ambas moradoras da cidade de Anápolis, Goiás.

lucibruna2A primeira delas é Maria Luciene de Oliveira Nunes, 30 anos, que foi violentada em julho de 1995 e deu à luz uma linda menina, Bruna de Oliveira Nunes. Mãe e filha foram a Brasília na caravana pró-vida de 16 de outubro de 1996 promovida pela Comissão de Pastoral Familiar do Regional Centro-Oeste. Diante da multidão reunida na Esplanada dos Ministérios, Luciene foi entrevistada e pronunciou em alto e bom som as seguintes palavras:

— O que você teria sentido se tivesse feito aborto?

Luciene: "Estaria morrendo de remorsos"

— A mulher estuprada tem o direito de abortar?

Luciene: "Não tem esse direito. A criança não tem culpa"

— A criança nascida de um estupro merece ser menos amada pela mãe?

Luciene: "Não. Merece ser mais amada" (sic!).

— Uma lei que autorizasse o aborto em caso de estupro ajudaria a mulher?

Luciene: "Não ajudaria".

— Há pessoas que dizem que o estupro é uma violência tão grande que, se a mulher não abortar, vai-se lembrar para sempre do que sofreu a cada vez que olhar para a criança. O que você diz disso?

Luciene: "No início, quando você percebe que está grávida, fica com muita raiva. Mas depois que a criança nasce, você nem se lembra mais do que aconteceu".

Quanto ao amor de Luciene por sua filha é inútil descrever por palavras. Seria preciso ver como ela a estreita em seus braços.

lucibruna1


O segundo testemunho é de Maria Aparecida, 48 anos, violentada em março de 1975. Ela mesma se prontificou para contar sua história, pois é intransigentemente contrária ao aborto. O estupro que resultou em gravidez teve para ela conseqüências gravíssimas: a perda do noivo (que não aceitou a criança) , a incompreensão dos parentes, surras diárias de sua mãe (que não acreditava que a gravidez resultasse de um estupro), e um parto por cesariana. Seu filho Renato está agora cursando a faculdade.

maparecida— O que a senhora sentiu quando o filho nasceu?

Maria Aparecida: Eu não vi, porque fiquei na UTI. Mas quando eu voltei e vi o meu filho... Nossa! Eu senti a pessoa mais feliz do mundo! Não me lembrei de problema nenhum!

— A senhora se arrepende de não ter abortado?

Maria Aparecida: Nunca!

— Se a senhora tivesse abortado, o que estaria sentindo hoje?

Maria Aparecida: Muito mal. Consciência pesada. Remorsos.

— A senhora acha que qualquer mulher estuprada sentiria remorsos?

Maria Aparecida: Sim. Pelo resto da vida! Eu tenho certeza. Pois eu tenho remorso só de ter pensado em abortar!

— Quando a senhora olha para o seu filho, pensa no estupro?

Maria Aparecida: Não. O preço por ter um filho de estupro é altíssimo. Mas o preço da consciência pesada é muito maior. Eu tenho certeza que quem aborta vive sempre com um martelinho na mente batendo, para que nunca esqueça que é criminosa.

— Criminosa, mesmo em caso de estupro?

Maria Aparecida: Mesmo em caso de estupro. De qualquer maneira.

— A mulher que sofre estupro não tem o direito de abortar?

Maria Aparecida: Não.

— Por que não?

Maria Aparecida: Porque a criança que está no ventre dela não tem culpa de nada.

— O que a senhora sente quando olha para o seu filho?

Maria Aparecida: Eu sinto amor demais! E não suportaria agora pensar que ele não existiria, quando visse uma pessoa da idade dele. Valeu a pena e está valendo. Olha! Se você sofre demais para conseguir uma coisa, é muito mais amor. Porque esse filho é o que mais deu dilema.

[Maria Aparecida foi entrevistada em sua casa no dia 16/02/97]

Anápolis, 01 de abril de 1997.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

CNPJ 01.813.315/0001-10 - Reconhecido como entidade de utilidade pública municipal pela lei 2497/97
Rua Bela Vista, Quadra M, Lote 65, Jardim Goiano, 75140-460, Anápolis, GO
Para correspondência: Caixa Postal 1995 75043-970 - Anápolis - GO
Telefones (62)3313-4792 / (62)3315-9413
Produzido por Trídia Criação

Usando Joomla!