Pró-vida Anápolis

follow facebook

Domingo, 23 Novembro 1997 20:32

Bendito fruto

"O preço por ter um filho de um estupro é altíssimo. Mas o preço da consciência pesada é muito maior" (Maria Aparecida, 48 anos, vítima de estupro)

A idéia de que o aborto auxilia o sofrimento da mulher estuprada é falsa, assim como é falso que o filho de um estupro seja alguém condenado à infelicidade. Das mulheres vítimas de estupro que engravidaram e deram à luz, e que tive oportunidade de entrevistar, nenhuma se arrepende de não ter abortado, todas são unânimes em dizer que estariam morrendo de remorsos se tivessem matado o filho, e todas nutrem pela criança uma afeição especial.

O testemunho que apresento hoje é de uma jovem de 23 anos, empregada doméstica com 2º grau incompleto, moradora do Bairro Jardim Progresso, em Anápolis, Goiás. Seu nome é Cíntia Aparecida Flávio. Tem um filho de três anos, chamado Rafael Francisco Flávio. Ela aceitou o convite de comparecer no programa "Em defesa da vida", transmitido pela Rádio Voz do Coração Imaculado, no dia 21/11/97.

cintcarl
Cíntia e Dona Carlinda

Rafael, porém, não é filho de um estupro. Aliás, Cíntia nunca foi estuprada. Sua história é outra. A mãe de Cíntia, D. Carlinda José da Silva Flávio, é que foi violentada quando tinha 20 anos de idade. Quatro meses depois, descobriu que estava grávida. O "bendito fruto" desta violência foi Cíntia. A seguir, alguns trechos da entrevista:

  • Cíntia, você gostaria que sua mãe a tivesse abortado?
  • De maneira nenhuma.
  • Você ama a vida?
  • Nossa! Viver é tão maravilhoso!
  • Você ficou muito traumatizada quando soube que havia nascido de um estupro?
  • Eu soube quando tinha 7 anos. No início doeu. Eu ficava imaginando no colégio: Poxa, meus amigos nasceram de um amor, e eu de uma violência... Mas com o passar do tempo, eu vi: há tantas pessoas que são fruto de um amor e que não são felizes. E eu, graças a Deus, sou feliz. Eu tenho um pai maravilhoso, que se casou com minha mãe depois, me assumiu como filha, deu-me o nome dele... Eu sou uma pessoa muito mais feliz do que muitos que há por aí.
  • E sua mãe, quando olha para você, sente alguma rejeição?
  • Eu acho que minha mãe nunca sentiu isso. Acho que desde o momento em que eu mexi na barriga dela, ela teve certeza de que queria me ter. E ela sempre conversou comigo e nunca me escondeu nada. E hoje eu sei que ela pode olhar para mim com o maior orgulho...
  • Você tem irmãos?
  • Tenho. Mais dois filhos dela com meu pai e um adotivo.
  • Você é a mais velha?
  • Sou a mais velha.
  • Como é que os seus irmãos a tratam?
  • Muito bem. Entre a gente não há distinção.
  • Você deve ter uma gratidão especial por sua mãe, não tem?
  • "Vixe"! Muito! Ela é uma pessoa maravilhosa. Nossa!
  • Você acha que se sua mãe tivesse abortado, estaria hoje se sentindo bem?
  • Com certeza que não. Com a cabeça que minha mãe tem, com o coração que ela tem, eu sei que ela estaria com a consciência superpesada.
  • Se uma mulher estuprada resolve fazer um aborto, isto melhora ou piora a situação dela?
  • Deve piorar. Porque além da dor do estupro, ainda tem a dor de matar um ser que não tem culpa nenhuma...
  • Dessas duas dores, qual é a maior?
  • Acho que é a dor de matar, sem dúvida.

Anápolis, 23 de novembro de 1997

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

Presidente do Pró-Vida de Anápolis

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

CNPJ 01.813.315/0001-10 - Reconhecido como entidade de utilidade pública municipal pela lei 2497/97
Rua Bela Vista, Quadra M, Lote 65, Jardim Goiano, 75140-460, Anápolis, GO
Para correspondência: Caixa Postal 1995 75043-970 - Anápolis - GO
Telefones (62)3313-4792 / (62)3315-9413
Produzido por Trídia Criação

Usando Joomla!